top of page

Lidando com o nosso juiz interno



Dentro de nós habita um juiz implacável, uma voz interna que aponta nossas falhas e mancadas. Essa presença invisível e constante nos arrasta através de um mar de autojulgamentos e críticas severas. Lidar com esse juiz interno é mais do que aprender a lidar com os nossos inevitáveis fracassos; é também sobre desenvolver autoaceitação e amor-próprio.

A prática de mindfulness é essencial nessa jornada. Ao cultivarmos a atenção em nós mesmos, começamos a perceber os pensamentos como nuvens passageiras no céu da nossa consciência. É importante lembrar que pensamentos não são a realidade em si; são apenas pensamentos. Entender isso suaviza a aspereza com que muitas vezes nos tratamos. O autojulgamento, sob essa nova luz, perde seu poder e se dissolve, como névoa ao sol da manhã.


Trilhar esse caminho requer que deixemos de lado ideias dominantes na sociedade. Obcecada por desempenho e sucesso, a cultura dos tempos atuais nos faz dar muita importância aos nossos erros e limitações. Isso reflete-se na forma como vemos a nós mesmos, transformando cada erro em uma mancha difícil de apagar em nossa autoimagem. É preciso aprender que o nosso valor não se mede pelos resultados ou sucessos que obtemos.


A prática do mindfulness nos ensina a adotar uma postura de observador sem julgamento, de ver as nossas falhas sem sermos consumidos por elas, aceitar nossos erros sem nos definir por eles. Esse é o primeiro passo para uma relação mais gentil e amorosa com nós mesmos.


Quando começamos a ver nossos pensamentos como simples pensamentos, não verdades absolutas sobre nós, sobre o mundo ou o que quer que seja, ganhamos liberdade. Uma liberdade de escolher como perceber e lidar com o que observamos. Nossos insucessos e limitações não são a verdade última sobre nós, mas sim pontos de crescimento pessoal. É uma mudança de perspectiva, um convite para tratar a nós mesmos com a mesma compreensão e amor que ofereceríamos a um bom amigo.


Nesse caminho de autoconhecimento e aceitação, lembramos que cada momento de autojulgamento é também uma oportunidade para praticar a gentileza. Então, da próxima vez que se encontrar preso em um turbilhão de críticas internas, lembre-se: você não precisa acreditar no que diz esse juiz interno. 


Comments


bottom of page